Janeiro Branco alerta sobre saúde mental na pandemia

Janeiro Branco alerta sobre saúde mental na pandemia

22 de janeiro de 2021 Off Por Redação

 

 

Com o lema, “Todo Cuidado Conta”, a campanha nacional chama a atenção para dados recentes que apontam aumento na angústia, ansiedade e depressão dos brasileiros

Diante do enfrentamento da pandemia, questões como distanciamento social, dificuldades financeiras, luto, entre outras, acabaram impactando diretamente na saúde mental das pessoas, aumentando índices de transtornos de ansiedade, depressão, e agravando outros problemas. Além disso, muitos podem estar enfrentando níveis elevados de uso de álcool e drogas, e insônia. E também, a própria covid-19 pode causar complicações neurológicas e mentais, deixando os acometidos pela doença mais vulneráveis a transtornos psicológicos. Esta é a 8ª edição do Janeiro Branco – campanha que movimenta e incentiva debates sobre saúde mental em todos os espaços e áreas da vida.

Fazendo alusão ao início de um novo ano e considerando uma “página em branco” – a campanha destaca uma nova oportunidade para ser preenchida com metas e cuidados que abrangem o bem-estar físico, mental e social de cada indivíduo. Na avaliação da gerente de promoção e atenção à saúde na Unimed Blumenau, Kátia Rodrigues Ferreira, a saúde mental impacta diretamente em todos os aspectos do dia a dia. “É fundamental ter em mente que a integralidade de hábitos saudáveis é o que ajuda a evitar problemas psicológicos”, destaca.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) relatam que a depressão é uma doença que afeta 4,4% dos brasileiros, e que o Brasil ainda é o país com maior prevalência de ansiedade em todo o mundo – 9,3% da população sofre com o transtorno. E além disso, o Brasil é o segundo país das Américas com maior número de pessoas depressivas, equivalentes a 5,8% da população, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, com 5,9%.

Busca por saúde mental cresce em meio à covid-19  

A OMS destaca que antes da pandemia, os países gastavam menos de 2% de seus orçamentos nacionais de saúde em saúde mental e lutavam para atender às necessidades de suas populações. Nos últimos meses, a crise causada pela covid-19 afetou estes serviços em 93%, em 130 países, enquanto a demanda continua crescendo muito rapidamente.

Para a Agência Nacional de Saúde (ANS), estes dados comprovam que é fundamental ampliar debates de enfrentamento de questões ligadas à saúde mental. Em 2019, os beneficiários de planos de saúde no país, realizaram cerca de 29 milhões de procedimentos ligados ao cuidado em saúde mental – um aumento de 167% comparado a números apresentados em 2011. As consultas psiquiátricas por mil beneficiários de planos de saúde subiram 80% entre 2011 e 2019, enquanto as consultas de psicologia por mil beneficiários evoluíram 199% e as consultas e terapia ocupacional também por mil beneficiários subiram 276%.

Programa de Saúde Mental da Unimed Blumenau

Fazendo alusão ao Janeiro Branco, a cooperativa médica lançou recentemente o Programa de Saúde Mental, que visa acolher colaboradores e beneficiários através de ajuda e acompanhamento psicológico. Durante todo o ano de 2021, o tema saúde mental estará em foco em ações para ajudar pessoas a identificarem sinais e sintomas de desconforto ou transtorno psicológico. Após serem acolhidas, as pessoas serão encaminhadas ao tratamento adequado na rede prestadora da Unimed Blumenau, que conta com profissionais e médicos especializados para atender cada caso, de acordo com as necessidades.

A gerente de promoção e atenção à saúde conta que através de trocas com profissionais para despertar situações de entendimento e promover a orientação, serão realizadas ao longo do ano, ações com palestras, rodas de conversa, stands com jogos lúdicos e demais atividades internas na cooperativa e empresas parceiras. “Em situações inesperadas, saber lidar com emoções mentais descompensadas é fundamental. Por isso, o Programa de Saúde Mental irá acolher as pessoas e ajudá-las a se tornarem mais conscientes de sua participação em um processo de vida saudável, com foco no autocuidado, na prevenção e no tratamento adequado”, ressalta. As ações voltadas ao programa não substituem assistência médica.

Sinais de alerta: quando é preciso buscar ajuda  

É importante observar sinais como sensação de vazio, desesperança, aprisionamento ou falta de razão para viver; sentir-se extremamente triste, ansioso, agitado ou com raiva constante; ou com dor insuportável, seja emocional ou física. Segundo o psicólogo clínico da Unimed Blumenau, Natan José Mafra, os transtornos e doenças psicológicas interferem nas diversas áreas da vida, ignorar os sinais pode levar a situações extremas. “Não adianta tentar abafar as emoções, pois os desconfortos emocionais podem levar a mente a pedir socorro em forma de ansiedade, depressão, compulsão, e outras manifestações de sofrimento. Por isso, é muito importante sempre buscar ajuda profissional”, destaca.

Como fortalecer a saúde mental

Qualquer pessoa pode desenvolver transtornos que afetam a saúde mental. “Os cuidados devem ser adotados no dia a dia e com atitudes de prevenção”, conta o psicólogo.

Abaixo o especialista lista sete dicas para auxiliar na preservação da saúde mental:

Ser realista e positivo: em qualquer atividade é importante adequar as expectativas geradas, levar sempre em conta as possibilidades de alcance, metas e objetivos, para evitar frustrações.

Praticar exercícios físicos e ter uma alimentação saudável: a alimentação balanceada e uma rotina de exercícios físicos diária, mantém o metabolismo acelerado, e a saúde necessária para realizar as atividades rotineiras.

Dormir bem: o sono é essencial para que o corpo se recupere do cansaço diário e o cérebro descanse adequadamente.

Ter bons hábitos no dia a dia: Com uma boa rotina fica mais fácil manter a saúde mental em dia, assim como garantir o funcionamento ideal do corpo, estimulando a produção de substâncias que garantem sensações positivas, como a endorfina.

Preservar laços familiares e de amizade: um dos pontos importantes é manter contato com pessoas que gostamos e que façam bem.  

Não usar drogas: o consumo frequente aumenta consideravelmente as chances do indivíduo de desenvolver transtornos mentais.  

Treinar a mente: adotar uma postura positiva diante das dificuldades, falar dos sentimentos com alguém de confiança, ser gentil consigo mesmo, aceitar as mudanças da vida, aprender a interpretar e aceitar as críticas, ficar atento aos pensamentos e, principalmente, entender que ninguém é feliz o tempo todo. 

 

Unimed Blumenau
Stefanie Herz
Jornalista