No mês de março, projeto Olakunde circula por escolas de Blumenau, Gaspar e Balneário Piçarras

No mês de março, projeto Olakunde circula por escolas de Blumenau, Gaspar e Balneário Piçarras

1 de março de 2021 Off Por Redação

 

 

Serão seis bate-papos on-line gratuitos sobre questões referentes à negritude, com a professora, educadora e empreendedora educacional, Shirlei Fabiana Silva

 

 

Reflexões sobre a negritude, educação e antirracismo. Nos dias 2, 10 e 16 de março, o projeto Olakunde “O valoroso chegou”, reflexões sobre as questões inerentes à negritude circula em formato on-line por escolas de Blumenau, Gaspar e Balneário Piçarras. Serão seis bate-papos gratuitos com a professora e empreendedora educacional, Shirlei Fabiana Silva, voltados aos alunos e professores das instituições. No dia 2 de março, a palestra será recebida pelo EJA Piçarras, em Balneário Piçarras, às 19h30. No dia 10, a conversa ocorre na Escola Municipal Felipe Shimidt, em Blumenau, às 10h e às 14h. No dia 16, o bate-papo é com os alunos da E.E.B Prof Honorio Miranda, em Gaspar, às 10h, às 14h e às 19h30. As conversas ocorrem via Google-Meet e terão a duração de 60 minutos cada.

“O projeto pretende, por meio de ações de cunho sócio-político-cultural-educacional, aguçar as discussões e reflexões sobre as questões inerentes à negritude. Assim, procurando contribuir para a construção de uma sociedade antirracista”, explica a professora, educadora, empreendedora educacional, Shirlei Fabiana Silva, também conhecida como Negrita.

Shirlei conta que a ideia da ação nasceu por sua vontade de legitimar a Lei 10.639/03, que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana em todas as escolas, públicas e particulares, do ensino fundamental até o ensino médio. “O Olakunde é atravessado por três pilares: pós-abolição, racismo estrutural e a transformação de uma sociedade antirracista, ele é uma oportunidade para todos se conscientizarem da verdadeira história de resistência e luta do povo africano, afro-brasileiro, desmistificando questões sobre os ‘heroísmos europeus’”, conta. “Acreditamos na potência deste projeto para despertar a branquitude sobre sua responsabilidade com a temática, trazendo à luz do conhecimento o protagonismo do povo preto e a unificação dos povos contra o racismo”, complementa.

OLAKUNDE
O nome do projeto, Olakunde, é uma palavra de origem yorubá/nigeriana que significa “O Valoroso Chegou”. Segundo Shirlei, a ação pretende e tem como prioridade legitimar a Lei 10.639/2003 (atualizada pela Lei 11.645/2008, que altera a Lei 9.394/1996). Esta, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira”.

“Em Santa Catarina, que se orgulha da sua ‘origem’ europeia, 15% de sua população se declara preta e parda, a cidade de Blumenau, dita a cidade mais “alemã” do Brasil é constituída por 10% desta população, segundo o censo do IBGE de 2010. A lei 10.639/03 é pouco legitimada no estado de Santa Catarina, por isso se faz necessário levar o conhecimento aos discentes para que os mesmos possam impregnar ações antirracistas em nossa sociedade com conhecimento do contexto histórico dela”, ressalta Shirlei. “É trazer a luz do conhecimento, a verdade histórica sobre o processo escravista no Brasil, deixando o povo preto como protagonista, todas as violações e os direitos que foram retirados do povo preto, tratando no pós-abolicionismo, modulado em três ciclos: Leis abolicionistas, racismo estrutural e construção de uma sociedade antirracista”, complementa.

O Projeto Olakunde “O valoroso chegou”, reflexões sobre as questões inerentes à negritude, de Shirlei Fabiana Silva, é viabilizado por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (Lei nº 14.017/2020) no município de Blumenau. O Projeto Olakunde também foi selecionado pelo projeto REDES, Divulgação como Mecanismo de Cultura; de Nane Pereira Comunicação e Arte, viabilizado pelo mesmo edital.

SERVIÇO
Projeto Olakunde “O valoroso chegou”, reflexões sobre as questões inerentes à negritude, com Shirlei Fabiana Silva
02/03: EJA Piçarras, às 19h30, em Balneário Piçarras
10/03: Escola Municipal Felipe Shimidt – às 10h e às 14h, em Blumenau
16/03: E.E.B Prof Honorio Miranda – às 10h, às 14h e às 19h30, em Gaspar
Seis bate-papos on-line em escolas públicas do Vale do Itajaí
Via Google Meet, de forma gratuita voltada a alunos e professores
Duração de cada live: 60 minutos

PALESTRANTE
Shirlei Fabiana Silva, conhecida como Negrita, é professora, educadora, empreendedora educacional, atua com projetos educacionais, é pedagoga pela Unicessumar, discente dos cursos de especialização Pesquisa e Práticas Pedagógicas, IFSC Gaspar e Docência para Educação Profissional, IFSC Itajaí. É microempreendedora individual da empresa Create Educacional, que atua com público de vulnerabilidade social, com treinamentos, formação de professores, capacitações, oficinas, tais como: negritude em ação, empoderamento feminino, liderança juvenil, protagonismo jovem, preparação para mundo do trabalho, economia solidária, primeiros socorros, respeitar a diversidade, a diversidade existente em um mundo plural, interligando Emoções, fortalecimento familiar (etc), apropriando-se das metodologias ativas, sala invertida e ensino híbrido na construção de saberes do estudantes de forma transversal.

É profissional da educação e possui 16 anos de experiência, seis atuando no sistema S, em escolas públicas, municipais e estaduais, com experiência na docência, gestão, coordenação e produção cultural. Texto Submetidos, aprovados e apresentados no Fórum de Formação Continuada Univali- 2006, III Seminário de Pesquisa e Prática Pedagógica, IFSC Gaspar- 2019, SBPC, XV Seminário Integrado  das Licenciaturas, X Seminário do PIBID, VIII Seminário PARFOR, VII Seminário PROESDE, FURB Blumenau – 2019, Ser Negra, VIII Semana de Reflexões sobre Negritude, Gênero e Raça , IFBA Bahia – 2019, ENDIPES – Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, Projeto Jovens Líderes Multiplicadores, apresentação prevista para novembro de 2020, IV Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação: Desafios Contemporâneos das Sociedades Ibero-Americanas, Projeto Jovens Líderes Multiplicadores, transferida apresentação para maio de 2021. Atuando com Formação de Professores na Educação Infantil, fundamental e Informática Educativa, auxílio na construção do Telecentro na cidade de Gaspar, na elaboração de cursos de informática básica a comunidade. Participação no XX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, 1º Seminário Catarinense: “Escola é lugar de Ciência”, 3 Jornadas Catarinense de Tecnologia Educacional – Jornatec, VIII Semana de Reflexões sobre Negritude, Gênero e Raça.


Nane Pereira
Jornalista | Santa Catarina