Primeiro a tomar a vacina em SC pede que população se imunize “em nome do amor”

Primeiro a tomar a vacina em SC pede que população se imunize “em nome do amor”

18 de janeiro de 2021 Off Por Redação

 

 

O enfermeiro Júlio César Vasconcellos de Azevedo dedicou 28 dos 55 anos de vida à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Celso Ramos, em Florianópolis. Nos últimos meses, presenciou a batalha de inúmeros catarinenses que tiveram de enfrentar o agravamento da Covid-19. O profissional da saúde foi o primeiro a tomar a vacina em Santa Catarina e fez apelo à população para buscar a imunização.

“Vocês não sabem como é difícil ver as pessoas internadas, com falta de ar, viradas de barriga para baixo para poder respirar melhor, intubadas. Pensem nos seus pais, nos seus avós, e tomem a vacina em nome do amor”, declarou.

Ele recebeu do governador Carlos Moisés o certificado de que tomou a primeira dose. Júlio foi o primeiro dos cerca de 68 mil cidadãos que devem ser imunizados com o primeiro lote da vacina CoronaVac, que chegou a Santa Catarina na manhã desta segunda-feira, 18. O ato inicial da vacinação, realizado no Instituto de Cardiologia, em São José, também contou com a aplicação da primeira dose na indígena Kerexu Yxapyry (Eunice Antunes) e no idoso João de Jesus Cardoso, 81 anos.

Gestora ambiental e líder da terra indígena Morro dos Cavalos, em Palhoça, Kerexu agradeceu “às divindades, a sabedoria da ciência e a luta de todos os povos” para que o início da vacinação fosse possível em Santa Catarina. “Minha sensação é de liberdade, porque passamos praticamente um ano presos por motivos de proteção, naquela incerteza de como conseguiríamos chegar aonde chegamos. A gente precisa lutar muito para que toda a população catarinense receba a vacinação. Todos precisamos querer tomar a vacina e estar imunizados”, afirmou.

O primeiro lote das vacinas também contempla as pessoas de ao menos 60 anos institucionalizadas no estado. Residente de uma instituição de longa permanência em São José, o idoso João de Jesus Cardoso fez questão de ser um dos primeiros. “Eu fiquei contente. Tem que tomar. Todo mundo tem que tomar a vacina”, resumiu.

Fotos: Ricardo Wolffenbüttel/ Secom


Renan Medeiros
Assessoria de Imprensa
Secretaria Executiva de Comunicação – SECom