Timbó – ‘Temos a expectativa de colher três toneladas de pitaia’

Timbó – ‘Temos a expectativa de colher três toneladas de pitaia’

14 de fevereiro de 2021 Off Por Redação

 

 

Amanda Bittencourt / Jornal do Médio Vale

 

Você sabia que existem cultivos de pitaia no município de Timbó? A fruta ainda não é muito popular por aqui, mas a ideia do produtor Carlos Roberto Schumann é deixá-la conhecida e mais acessível para todos.

Nascido e criado em Timbó, com seus 58 anos, ele é um apaixonado pela agricultura e há um ano e oito meses passou a dedicar-se ao plantio e produção de pitaia em um terreno localizado ao lado de sua residência.

Schumann conta que tinha o terreno que não estava sendo utilizado e um dia, pesquisando pela internet, viu a fruta e pensou em começar a plantação no local para agregar valor e gerar qualidade de vida com o lucro da plantação. “Então eu instalei tudo e hoje estou muito surpreso com a quantidade de frutas que essa planta produz, é algo realmente fantástico. Além disso, é uma fruta com propriedades nutricionais importantes para nosso organismo”, completa.

Em uma área de 1600 metros quadrados, Schumann cultiva cerca de 600 plantas. Sua expectativa é colher nesta safra, que teve início em dezembro e dura até maio, três toneladas. “No próximo ano, poderemos colher até o dobro disso”, menciona o produtor.

Atualmente, ele possui cinco variedades diferentes da fruta, mas tem plantado 11 espécies no total, sendo muitas delas ainda não disponibilizadas no comércio. “A pitaia é uma fruta desconhecida do público. Acredito que em breve muito mais pessoas vão ter a oportunidade de experimentar essa fruta”, diz Schumann.

Produção

A produção de Schumann não é orgânica, pois não possui certificação, mas ele não utiliza nenhum agrotóxicos e a adubação é totalmente orgânica. “Eu faço minha própria compostagem, que inclusive, é isso que está dando a diferença para a explosão dessas frutas. A compostagem é muito rica, tem uma série de nutrientes para melhor manutenção da planta”.

Ainda, o produtor fala que é necessário muita disponibilidade de tempo para o cuidado e manejo. “A formação da planta exige que você tenha o cuidado com a poda que deve ser em formato de guarda-chuva, pois ela produz uma massa de ramos muito expressiva. As podas têm esse intuito de regularizar seu formato e também de tirar os cladódios (ramificações da planta) menores”.

Os frutos começam a se desenvolver a partir do mês de dezembro, momento em que começa a polinização das flores. Na propriedade, com cerca de seis mil frutas, Schumann junto com seu filho e esposa, iniciam o trabalho às 4h da manhã para efetuar manualmente a polinização. “Primeiro sacamos o polén com aspirador e depois o processo é feito uma por uma, para ir fecundado as flores. É um serviço artesanal e bacana. Tem que ter realmente paixão pelo que se faz”.

Acesso para comunidade

Schumann relata que não estava preparado para o tamanho expressivo da produção em tão pouco tempo de cultivo e fala sobre a logística de vendas.

“Para o comércio e grandes redes, a produção de três a quatro toneladas é ainda insignificante. Então o que eu tenho feito e o que eu quero fazer, inclusive é meu projeto e do senhor Bastos (pioneiro no cultivo de pitaia em Timbó), queremos colocar à disposição essa fruta para a grande massa da população, pois é uma fruta que tem ainda um custo muito elevado, pela manutenção, custo dos materiais e plantas, que dependendo da variedade, é um valor expressivo”.

Schumann disse que por ser um produtor rural, ele irá disponibiliza à comunidade a venda da pitaia por um valor acessível a partir deste fim de semana, com frutas fresquinhas e tiradas direto do pé.

Com a fruta, o produtor também tem produzido geléias e licor para consumo da família e amigos.

Sua plantação fica localizada na rua Amazonas, 813, bairro dos Estados -acesso pela rua do Supermercado Gessner.