Indicadores financeiros: como saber se sua empresa está financeiramente saudável?

Indicadores financeiros: como saber se sua empresa está financeiramente saudável?

10 de junho de 2021 Off Por Redação

 

 

Manoel Victor Tomaz, consultor em gestão financeira da M.Victor Consultoria, lista cinco mostradores que fazem a diferença na rotina dos negócios

 

 

Uma pesquisa recente da Economática, mostra que o endividamento de empresas abertas dobrou nos últimos dez anos. De dezembro de 2011 a março de 2021, o valor total dos endividados passou de 486 bilhões para 1,213 trilhão de reais. Com a economia em marcha ré, o empresário brasileiro vive em meio a turbulências. “Além dos desafios comuns de empreender no Brasil, como a recorrente criação de novos impostos e variação cambial, a pandemia está sendo um desafio à parte, totalmente inesperado”, comenta Manoel Victor, especialista em gestão e consultoria financeira,  da M.Victor Consultoria.

Para evitar problemas e manter a saúde financeira da empresa, é importante que o empreendedor fique atento a alguns indicadores que podem ajudá-lo a tomar decisões estratégicas, identificar, prevenir e solucionar problemas que podem causar possíveis prejuízos. O especialista da M.Victor Consultoria lista os cinco principais indicadores financeiros que o empreendedor deve acompanhar:

Margem de contribuição: é a quantia que sobra da receita obtida da venda de um produto, serviço ou mercadoria após retirar o valor dos custos e despesas variáveis. Não é suficiente apenas olhar para a coluna de “receita” da planilha e dali subtrair os  gastos gerais para obter o lucro. A conta é um pouco mais complexa: é preciso gerar o IMC – Ìndice de Margem de Contribuição. E isso é feito encontrando o valor dos custos e despesas variáveis, como o que é gasto com fornecedores, matéria-prima, pessoal de produção, entre outros.

Resultado operacional: é o lucro obtido depois de deduzir a receita líquida de vendas, o custo de mercadoria vendida, despesas de pessoal, despesas administrativas, financeiras e outras despesas operacionais. É esse índice que vai realmente mostrar qual a real situação da empresa, pois representa apenas o lucro gerado pelas operações da empresa, desconsiderando juros e impostos. “Um resultado operacional positivo significa que a operação está saudável, uma vez que ele representa o quanto de dinheiro entra na sua empresa por conta dessas operações”, explica Manoel Victor.

Fluxo de caixa livre: é o saldo de caixa que está livre em um negócio, ou seja, o dinheiro livre depois de realizado todos os pagamentos obrigatórios para o funcionamento da empresa. “É um indicador fundamental para saber se é possível investir em novos produtos ou serviços, pagamento de dividendos, se a empresa tem acionistas e até mesmo reduzir dívidas ativas. “O FCL é o total de dinheiro disponível na empresa, porém não leva em consideração o potencial de crescimento do negócio, por isso esse medidor é usado para ter base da saúde da empresa e não para transações externas ou avaliação de negócios”, adiciona.

Custo dos produtos vendidos: é um cálculo usado para mensurar as despesas diretamente associadas ao processo de produção e/ou distribuição do produto. Esse mostrador é fundamental para que a empresa possa fazer a precificação de um produto ou serviço, ou até mesmo para avaliar estratégias de venda, alteração de fornecedores e aperfeiçoamento das vendas. O cálculo é feito somando o valor do estoque inicial (EI) ao valor de compras (C) e ainda subtraindo o valor do estoque final (EF). Assim, além do faturamento total da empresa, ou saber o rendimento após o pagamento de tributos e outras despesas, o valor investido em compras de materiais também é um indicador importante para verificar se o barco está conseguindo se manter navegando bem.

Endividamento: “O endividamento financeiro em uma empresa significa a relação entre os ativos totais da organização e o somatório do valor das parcelas de compras ou de crédito a vencer” afirma o especialista. Esse cenário pode ser real caso haja a ocorrência de algumas situações, as mais comuns são: falta de planejamento – quando a empresa falha em analisar dados e parâmetros que deveriam estar disponíveis na DRE; falta de vendas – que vai afetar o capital de giro da empresa, causando um problema de prazo médio de recebimento maior que o prazo médio de pagamento; dependência de capital de terceiros – que pode ser um resultado das situações anteriores, o que leva a empresa a contrair dívidas para pagar outras dívidas. Apesar de a palavra “dívida” já trazer a ideia de algo negativo, ela pode ser “boa” quando é contraída de forma planejada e estruturada, com a finalidade de investir em ativos que vão servir para alavancar o crescimento ou faturamento da empresa, ou reduzir custos da mesma.

De acordo com uma pesquisa da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), proteger a saúde financeira da organização é um desafio para 45% das empresas brasileiras. Flexibilizar e adaptar-se para adotar estratégias extremamente ágeis é uma adversidade também para 45%. Para o consultor da M.Victor, mais do que ter em mãos os indicadores, é fundamental que o empreendedor conte com apoio profissional para a tomada de decisão, utilizando os dados em ações estratégicas no negócio. “Só assim é possível manter a empresa financeiramente saudável, escolher o melhor caminho a seguir e também crescer apesar das adversidades que o mercado possa apresentar”, finaliza.

Sobre a M.Victor Consultoria

Especializada em gestão e terceirização do departamento financeiro, a M.Victor é uma consultoria que alia a expertise de seus profissionais, boas práticas de negócios e tecnologia para entregar soluções completas a pequenas e médias empresas que precisam estruturar seu processo de gestão.

Com uma equipe multidisciplinar, que engloba consultores, especialistas em finanças e desenvolvedores de software, desenvolve projetos exclusivos para a realidade de cada cliente, focando na entrega de soluções que facilitem a gestão, organização e tomada de decisão nos negócios.

Mais informações em www.mvictor.com.br.

 


Bruna Carolina de Souza