SAMAE Timbó faz alerta sobre descarte ilegal de materiais contaminantes

SAMAE Timbó faz alerta sobre descarte ilegal de materiais contaminantes

17 de maio de 2021 Off Por Redação

 

 

No Dia Mundial da Reciclagem, o SAMAE Timbó alerta a comunidade sobre uma situação que tem ocorrido em alguns pontos do município (em especial no Bairro Mulde): o descarte ilegal de materiais contaminantes. Nos últimos dias itens como televisores e pneus foram encontrados largados à beira da rua, o que, além de prejudicar o meio ambiente, também compromete a qualidade de vida.

O presidente do SAMAE, Waldir Girardi, reforça a importância de denunciar essas situações. “Todos os televisores que encontramos estavam sem as placas. Não tem como saber, de certeza, de que forma esses aparelhos foram obtidos, porém, o fato é que seu descarte é ilegal e deve ser punido. Por isso a denúncia é tão importante”, explica.

Há duas leis que amparam e protegem as áreas de proteção ambiental, são elas: a Lei de Crimes Ambientais 9.605/98-ART 54 e a Lei Complementar Municipal 364/2008-ART, 66, Inciso I. Em Timbó, a denúncia pode ser feita ligando no número (47) 3380-7147.

A importância do Ecoponto para a qualidade de vida

No caso dos televisores e demais eletrodomésticos, vale ressaltar que Timbó possui um local específico para receber e dar a destinação correta a esses materiais: o Ecoponto, que fica localizado no Bairro dos Estados. Lá, é possível fazer o descarte de resíduos recicláveis (metal, papel, plástico e vidro), óleo de cozinha utilizado, móveis, eletrodomésticos e eletrônicos.

Estes materiais são encaminhados até a central de triagem no Consórcio Intermunicipal do Médio Vale do Itajaí (CIMVI), onde tudo o que é entregue poderá ser reciclado ou receberá destinação correta. Além disso, há também a opção de ligar na Central de Coletas para agendar a coleta dos materiais. O telefone é o (47) 3380-7532.

Descarte correto de pneus e lâmpadas

Já no caso dos mais de 30 pneus que foram encontrados na última semana, a situação muda um pouco. O pneu é composto de materiais nocivos que prejudicam o meio ambiente e se tornam perigosos pelo fato do produto se tornar um local propício para a proliferação de doenças, como a dengue. O mais indicado, nesses casos, é retornar o pneu que já não tem mais utilidade para a borracharia ou estabelecimento de onde ele foi adquirido, que fica responsável por dar a destinação correta a esse item.

“A lâmpadas fluorescentes, que possuem mercúrio em sua composição (um elemento prejudicial ao meio ambiente e mais ainda à nossa saúde), também devem ser devolvidas ao estabelecimento de onde foram adquiridas. Esse local poderá destinar o item para que seja feito o processo correto de descarte”, complementa o responsável pelo Ecoponto, Sérgio Andreazza.

A Lei 12.305/10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), define os produtos que são obrigados a logística reversa. São eles: embalagens de agrotóxicos e de óleos lubrificantes, pilhas e baterias, pneus, lâmpadas fluorescentes, entre outros.

Assessora: Aline Brehmer/Samae Timbó
Foto: Divulgação Samae Timbó