Entenda o que muda com a vigência imediata da LGPD em solo brasileiro

Entenda o que muda com a vigência imediata da LGPD em solo brasileiro

18 de setembro de 2020 Off Por Redação

 

 

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais começa a valer a partir desta sexta-feira (18), trazendo mais responsabilidades para empresas e órgãos públicos perante o recolhimento e proteção dos dados pessoais.

A Lei Geral de Proteção de Dados, popularmente conhecida como LGPD, entrou em vigor em todo o território brasileiro nesta sexta-feira (18), após a sanção do presidente da república. Sendo assim, a vigência da lei passa a ser imediata, mas com as multas e penalidades sendo aplicadas somente a partir de agosto de 2021, prazo que as autoridades consideram para que as empresas se adequem à nova legislação.

Mesmo as penalidades sendo aplicadas a partir de 2021, as empresas devem se adequar à LGPD o quanto antes, conforme aponta o especialista em Gestão da Segurança da Informação da Indyxa, empresa especializada em infraestruturas para missão crítica, Tiago Brack Miranda. “Hoje, o Ministério Público, Procon e demais órgãos competentes já pedem informações, auditam e aplicam as sanções nos casos de vazamento de dados. Portanto, é necessário ficar atento ao que determina a lei”, diz.

O que muda com a vigência imediata da LGPD?

Miranda destaca que a lei trará mais responsabilidades para empresas e órgãos públicos perante o recolhimento e proteção dos dados pessoais. A grande mudança com a chegada da nova lei, será fornecer as informações de forma mais clara e simples. “Será necessário que o titular dos dados saiba como suas informações pessoais são obtidas, armazenadas e compartilhadas. Além disso, o cidadão terá que consentir o uso de seus dados, podendo pedir a revogação, portabilidade e a retificação de suas informações em determinada organização, quando a única base legal para o tratamento é o próprio consentimento do cidadão”, afirma.

A LGPD também indica a necessidade do encarregado de dados nas empresas brasileiras. “Na União Europeia essa pessoa é conhecida como DPO (Data Protection Officer). Esse profissional será responsável pela comunicação para eventuais solicitações de consultas e retificações sobre dados pessoais, bem como de se comunicar com a Agência Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão federal com o objetivo de regulamentar e fiscalizar a nova lei. Este profissional passa a ser ponto chave na implantação e manutenção do programa de privacidade e proteção de dados”, revela Miranda.

Miranda ainda ressalta que a cibersegurança terá que ser uma das prioridades nas empresas brasileiras. “Com a vigência da LGPD, os negócios precisam dar mais atenção para essa área na empresa. Assim, as empresas diminuem o risco de incidentes de segurança que possam acarretar na parada do negócio e, consequentemente, em prejuízos financeiros”, conclui o especialista.

Sobre a Indyxa

Especialista em infraestruturas para missão crítica, a Indyxa é uma das maiores empresas de tecnologia do país, com mais de 180 colaboradores, distribuídos em cinco sedes (Blumenau, Brusque, São Paulo, Recife e Cidade do México). A empresa possui mais de 20 anos de experiência, garantindo a segurança e a alta disponibilidade da infraestrutura de TI de seus clientes. A empresa integra em seu portfólio soluções e serviços em infraestrutura de TI com inteligência de negócios, cloud services, segurança e continuidade, hardware e software e projetos e serviços gerenciados.


BRUNA GABRIELA ZIEKUHR
Presse Comunicação