Governador e presidente da Fapesc entregam ao ministro de Minas e Energia relatório com pesquisas de SC relacionadas ao uso de carvão

Governador e presidente da Fapesc entregam ao ministro de Minas e Energia relatório com pesquisas de SC relacionadas ao uso de carvão

23 de dezembro de 2020 Off Por Redação

 

 

O governador Carlos Moisés e o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc), Fábio Zabot Holthausen, aproveitaram a passagem pelo Estado do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para mostrar as ações de pesquisa e inovação relacionadas ao uso do carvão.

A conversa foi logo após o almoço entre autoridades, que incluiu o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar. No evento, o ministro defendeu o uso sustentável e ambiental da matriz do carvão.

O documento entregue ao ministro mostra o investimento de R$ 9,6 milhões em pesquisas e inovação para buscar alternativas ao uso do carvão como também novas tecnologias para a mineração em Santa Catarina. Esse recurso foi destinado às universidades da região Sul do Estado em três editais lançados em 2019, 2017 e 2013.

Entre os últimos projetos contemplados estão os estudos para desenvolvimento de semicondutores para células fotovoltaicas a partir de rejeitos de carvão ou mesmo melhoramento da eficiência das brocas de perfuração e rotores de bombas centrífugas usadas na mineração.

A Fapesc também apoiou o desenvolvimento estruturas de pesquisa e novas soluções para uso do CO² vindo do carvão mineral. Além dos estudos, foi possível com esse investimento realizar parcerias com instituições como o Departamento de Energia dos Estados Unidos e a PUC-RS para criação de novos produtos.

O presidente da Fapesc, Fábio Zabot Holthausen, destaca que o papel da fundação é ajudar a desenvolver novas tecnologias e aprofundar o conhecimento. É isso o que traz soluções para os problemas e gera avanço para as empresas, segundo ele. “O uso da matriz carvão não é diferente. Temos apoiados projetos para melhoria do sistema de mineração para geração de inovação com novos usos para o minério, bem como alternativas para minimizar o impacto ambiental e recuperar áreas degradadas”, explica.

Passagem do ministro por SC

Bento Albuquerque esteve em Santa Catarina para tratar de um grupo de trabalho criado para analisar o futuro do setor de carvão na região Sul do Estado. Em até seis meses, será apresentado um diagnóstico e um plano de ação o uso sustentável do minério.

A medida foi motivada pelo anúncio, por parte do grupo Engie, de um plano de desativação escalonada do complexo termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo, a partir de dezembro de 2021. A intenção da empresa é fechar o complexo até 2025, caso não apareçam compradores. Hoje, as usinas de Jorge Lacerda consomem praticamente todo o carvão extraído no Sul do estado.

Bento Albuquerque contou que também será publicada uma segunda portaria, com um plano de incentivo à modernização da atividade de geração de energia a partir do carvão mineral. Esse plano deverá ser apresentado em um prazo de até 90 dias. Segundo o ministro, a matriz termelétrica consta no Plano Nacional de Energia como uma fonte reguladora, que amplia a segurança energética, provendo aproximadamente 2% da oferta.

“A questão do carvão mineral de Santa Catarina já vem sendo tratada desde 2019. Queremos lançar um programa para o uso do carvão de forma sustentável e com o viés econômico-social. Isso vai partir de um trabalho que será conduzido não apenas pelo Governo Federal, mas também pelo Governo do Estado, pelas autoridades municipais, pela academia e toda a sociedade da região. Esperamos que, com isso, possamos usar essa fonte de energia para o desenvolvimento sustentável da região”, explicou o ministro

*Com informações do Governo do Estado

 

Gisele Krama – Fapesc