Procrastinação: a autossabotagem que pode acabar com a sua carreira

Procrastinação: a autossabotagem que pode acabar com a sua carreira

11 de março de 2020 Off Por Redação

Por Irene da Silva*

Uma passadinha pelas redes sociais, aquele café no corredor, uma parada no banheiro, um copo de água. Você volta para a sua mesa de trabalho e recomeça aquilo que estava fazendo, mas o e-mail pessoal parece exigir uma checagem rápida que acaba tomando mais uns 20 minutos do seu dia. Do e-mail passa pelos apps de mensagens instantâneas e quando vê o dia acabou e a lista de afazeres só aumentou. Se esse cenário parece muito com a sua rotina, provavelmente você faz parte dos 20% de adultos que já são procrastinadores crônicos. Para eles, deixar para depois algo que poderia ser feito agora se tornou um hábito tão comum que é impensável quebrar esta rotina de improdutividade e de consequentes atrasos e má qualidade de entregas.

Procrastinar parece ser considerado, inclusive, um problema cultural. Com a digitalização, perder o foco e deixar as tarefas para depois é ainda mais comum e simples. Estamos 100% do tempo conectados em redes sociais e aplicativos tão atraentes que deixa-los de lado para assumir compromissos de entrega na rotina de trabalho soa como impossível. Uma checada nos likes entre um job e outro é tão comum que muita gente se esquece do tempo perdido nesse círculo vicioso.

E assim, além de se sabotar, o procrastinador deixar de trabalhar para si próprio e acaba criando valor para o outro. Quando você procrastina, usando as redes sociais, por exemplo, está perdendo o que tem de mais valioso – o seu tempo. Enquanto isso, as plataformas e marcas acessadas por você extraem dados e criam uma sequência de conteúdos de acordo com as suas preferências que só faz o tempo entre o que precisa ser feito e a distração aumentarem ainda mais.

E a sua carreira? Segue sendo sabotada por gatinhos fofinhos, fofoca de gente famosa, comidas que parecem de mentira, a vida perfeita arquitetada com maestria por quem faz da sua distração um negócio.

E as suas entregas? Vão se acumulando, perdendo qualidade, chegando cada vez menos atrativas e mais atrasadas, irritando a gestores, clientes e mercado.

Nesse cenário, perde quem não tem autocontrole sobre a própria rotina. Fazer aquilo que é necessário, mas nem sempre divertido, ao invés de estar no topo da lista, só vai sendo substituído por subterfúgios que em nada agregam. Enquanto você procrastina, não deixa de gastar energia – porém a está gastando equivocadamente, criando valor para coisas e pessoas que não lhe trarão o retorno para o seu sucesso.

Antes de deixar de lado mais uma vez o seu trabalho, seus estudos e compromissos, pense em quanta gente ganha com a sua falta de foco. O único que perde com a própria distração é você, que abre espaço para o crescimento de quem já aprendeu a distinguir pausas necessárias de procrastinação. Faça o que tem que fazer. Essa é a única maneira de agregar valor a si próprio.

*Irene da Silva é administradora e CEO da Ellevo, empresa pioneira e referência nacional em soluções para a gestão de Centros de Serviços Compartilhados (CSCs).


Sabrina Hoffmann
Assessoria de Imprensa | Produção de Conteúdo